A ARTE NA HISTÓRIA DA GRANJA VIANA – ATRAVÉS DA PINTURA DE JOÃO MACCHADO

João Lino

João Macchado nasceu na cidade de Carlópolis, fronteira do Paraná com São Paulo, de família de agricultores. O destino o conduziu para os primórdios da Granja Viana, em Carapicuíba, chegando em 13/02/1968, onde morou uns tempos na rua Direita, na casa de Cristina Von e depois foi morar na imobiliária de Paulo Alcântara, pioneiro no ramo imobiliário na região, que lhe deu oportunidade para trabalhar como corretor de imóveis, no que se deu muito bem. Foi do João a ideia de vender lotes grandes, de 3 a 5 mil metros quadrados, que pudessem oferecer conforto a uma família de 4 a 5 pessoas, e ainda morar 3 a 4 caseiros, com qualidade de vida.
Desde os 8 anos João já demonstrava aptidão para a pintura.
Como não tinha material no interior, começou a fazer os primeiros traços a carvão. Trabalhando na Granja Viana como corretor, nas horas vagas se dedicava a pintar paisagens, flores, casas e o retrato dos primeiros Granjeiros que aqui vieram morar.
“ O que era “HOBBY” passou a ser profissão, fazendo-o conhecido em todo o território nacional e em países da Europa, onde expôs com sucesso em Paris, Milão e outros” disse José Wanderley Corsini.
Seus primeiros quadros vendeu-os na Praça da República e Embu das Artes. Aos poucos foi melhorando a técnica e as finanças. Os primeiros Granjeiros, compradores de lotes e empreendedores, foram retratados por João Macchado na Granja Viana de Carapicuíba.
Assim, ele pintou Manoel Serrano, Da Eugênia, Jair Rodrigues, Emerson Fittipaldi, Moacir Franco, KenjiKira, Vó Catarina, ( esposa de José Félix de Oliveira), Paulo Alcântara e tantos outros. Pintou diversas paisagens da Fazendinha: Recanto Inpla, Terras do Madeira, Chácara Santa Lúcia, Vale do Rio Cotia, Largo da Aldeia, Aldeia de Carapicuíba, Igreja da Aldeia, Casa do Zé Pereira, etc.
Hoje essa coleção de quadros retrata a História da Granja Viana de Carapicuíba, sua gênese, e dos primeiros Granjeiros.

Para homenagear João Macchado, o poeta José Wanderley Corsini dedicou a ele a poesia “Lamento de um Granjeiro” e por sua vez, João retribuiu com um óleo s/tela de 1,40 x 1,00m, também denominado “Lamento de um Granjeiro” onde pinta o retrato de Corsini e reproduz na tela seus versos.
A grande maioria dos quadros doou para o Instituto ÊXODO, criado e idealizado por João Macchado há mais de 40 anos, para tornar-se uma fonte inesgotável de incentivo, solidariedade e amor ao próximo, para que as pessoas possam ter uma vida digna, com conforto e felicidade. A renda dos quadros doados vai toda para o Instituto.

Matéria da revista AETEC nº23 edição.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *